iii

O som da torneira, ainda aberta, concentrou-me na realidade. Observei-a – a água – aguardando que me limpasse os pensamentos.

Encontrei algo intrigante naquele pilar uniforme e ininterrupto de água: uma imagem parada daquele pilar, ou a realidade do sistema dinâmico que é – onde a água que aterra no lavatório de falsa cortiça equilibra-se com a que se atira do bocal – são tão facilmente confundíveis como iguais quando, na verdade, as variáveis e as consequências são tão diferentes.

Pode passar-se uma vida inteira a observar a imagem parada – analisar ao pormenor cada detalhe, cada nuance, conseguir reproduzi-la por detrás das pálpebras com os olhos fechados – e, no final, teria sido um desperdício de uma vida pois, a realidade, é que nada disso, nenhuma das conclusões teria validade, pois as premissas estariam erradas.

Desliguei a torneira, num movimento rápido, indolor. Soltei o lavatório e ergui-me, direito. Expirei fundo, uma vez mais, e saí da casa de banho, fechando a luz atrás de mim.



Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: