xiv

Platão diz-nos que há dois domínios:

  • Domínio do Ser – composto pelas coisas perfeitas e imutáveis. As Formas ou Ideias são perfeitas, eternas, a «real realidade», entidades que não se regem pelas leis de espaço-tempo;
  • Domínio do Devir – mundo que os sentidos nos oferecem, das coisas imperfeitas e temporárias, sempre em mudança – “cópias” imperfeitas das Ideias ou Formas.

Os nossos intelectos finitos e poderes ilusórios de percepção, não nos permitem inferir a existência desta “real realidade”. Há, no entanto, uma porta discreta – a educação.

Platão conta-nos das nossas almas imortais. Estas, nos estados incorpóreos que antecedem os corpos e a vida mortal, habitam no Domínio do Ser. As nossas almas, assim, tudo sabem.

Ao entrar nos corpos, no entanto, de tudo se esquecem.
A educação é o processo que permite, às nossas almas, recordar o que sabiam, antes das limitações da carne – Anamnese.

Anamnese
Do grego Anamnesis
Ana = “para trás”
mimneskesthai = “recordar, fazer lembrar”

Independentemente das limitações – ou implicações – de uma teoria destas, há algo que aprecio: a noção ou propensão de que o conhecimento é limitado somente pela procura, e não por noções falaciosas de capacidade.

Esta teoria é demonstrada em Ménon, com o exemplo de um jovem escravo de quem Sócrates consegue extrair uma demonstração geométrica, fazendo-o «recordar».

É óbvio que Sócrates direcciona as perguntas de modo a induzi-lo à demonstração mas, ainda assim, mais do que o exemplo, é na ideia subjacente que vejo a importância:

  • A ignorância é um estado, não uma característica | A educação é universal, desde que facultados os caminhos para o ser.

O exemplo disso é o próprio Platão;
A República junta o seu pensamento e teorias num sistema que permite uma aplicação tanto num bom indivíduo como num bom Estado (já que a tese inicial da obra é a de uma sociedade ideal) – um feito que, para muitos, seria justificação para uma merecida reforma.
Mas não para Platão.
Nos anos que se sucederam, ele continou a desenvolver o seu pensamento, acabando mesmo por pôr em causa as suas próprias ideias.

Imagine-se fazer isso hoje.

(mais sobre o tema aqui para quem tiver curiosidade)

Esta retratação perfeita foi retirada daqui.


One thought on “xiv

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

<span>%d</span> bloggers like this: