xliv

Cepticismo e a impossibilidade de saber ao certo.

Se removermos tudo aquilo que tomamos como certo – os alicerces em que baseamos e aceitamos a realidade – como é que podemos afirmar, com certeza, que algo é realmente real?

Photo by Pixabay on Pexels.com

A noção de realidade, percepção e origem do conhecimento, esteve patente nos filósofos da Grécia Antiga:

  • Muitos afirmaram que havia uma verdadeira realidade, diferente da que os nossos sentidos nos oferecem – Parménides chamou-lhe Uno, Demócrito com os átomos, Platão com as formas;
  • Os sofistas (aqueles cuja profissão era ensinar técnicas de retórica e oratória) demonstraram como a mesma pessoa pode argumentar, com validade, a favor e contra a mesma questão;
  • Sócrates afirmou ter mudado o seu interesse da Física para a Ética, por ser um desperdício de energia tentar conhecer a realidade;
  • Platão afirmou que o conhecimento do mundo que nos rodeia só pode ser, na melhor das hipóteses, probabilístico.

Estas reflexões dirigiram filósofos à mesma pergunta:
Será o conhecimento possível de todo?”
O Cepticismo acaba por ser a resposta natural a esta questão.


Photo by Andrea Piacquadio on Pexels.com

É de realçar que existiram duas categorias de cépticos antigos:

  • Cepticismo da Academia (ou Académico);
  • Cepticismo Pirrónico (ou Pirronismo)

CEPTICISMO DA ACADEMIA

A academia, neste caso, refere-se à Academia de Platão – fundado por este, e por onde passaram muitas figuras ilustres.

À esquerda – Academia de Platão (por Rafael Sanzio)
À direita – Sítio arqueológico da Academia (Por Tomisti – Obra do próprio, CC BY-SA 3.0)
  • Arcesilau e Carnéades

Arcesilau (316241 AEC) foi o sexto sucessor de Platão na liderança da Academia, e foi o primeiro a inflecti-la numa direcção céptica.

Carnéades (214129 AEC) foi o sucessor de Arcesilau, mas terá optado por uma visão mais moderada do Cepticismo.

Similar aos restantes céticos (e a Sócrates), Arcesilau e Carnéades não deixaram escritos, pelo que as suas perspectivas chegaram-nos pelas descrições de outros.
Isto, infelizmente, criou inconsistências sobre as suas ideias.

Arcesilau e Carnéades

É certo que ambos atacaram o Estoicismo e pensa-se que partilhavam a ideia de suspender o juízo (também designado suspender a crençaEpoché).

Epoché traduz um estado no qual nada é afirmado ou negado.
Se pensarmos numa proposição P, suspender o juízo ou crença significaria não aceitar P nem aceitar não-P.

Defendiam a suspensão da crença porque diziam não haver critério de verdade que nos permita escolher entre um lado ou outro, ou que, mesmo existindo a verdade, ela não é susceptível de ser descoberta por nós.

Os estóicos argumentaram que qualquer acção deliberada requer algum nível de crença, de aceitação da realidade; ou seja, sem alguma base de conhecimento, não haveria acção consciente, pelo que não seríamos diferentes de uma planta.
Na ausência de decisão sobre o que é verdade ou não, como é que agimos na vida prática?

A resposta fornecida pelos cépticos vem na noção de eugolono razoável – ou seja, a melhor opção consoante as opções apresentadas.
Isto não exige que se aceitem ideias como verdadeiras ou falsas, não pondo em causa a suspensão do juízo.

Carnéades terá desenvolvido esta ideia para a noção de pithanon – que tem várias interpretações possíveis, um delas sendo “o mais provável“.


A falta de escritos, deixa-nos com pouco mais do que interpretações nas palavras de outros, o que cria toda esta confusão de sentidos.

Estende-se ao ponto de nem ser claro se defendiam a ideia de suspender a crença para todo o conhecimento (impossibilitando-o) ou se apenas como um argumento contra a visão estóica.


Anúncios

CEPTICISMO PIRRÓNICO (PIRRONISMO)

  • ORIGEM

Vem de Pirro de Elis, o nome deste movimento céptico.

Pirro de Élis

Nascido em 360 AEC, Pirro começou a vida como pintor. Após ler Demócrito, no entanto, decidiu estudar filosofia.

Viajou no exército de Alexandre, o Grande até à Índia, onde conheceu os gimnosofistas.

Gimnosofistas
– Também conhecidos como “filósofos nus”;
– Nome que os gregos deram a filósofos indianos que procuravam o ascetismo;
– Iam ao extremo de verem a roupa (daí a designação) e a comida (há relatos de serem vegetarianos) como prejudiciais para a pureza do pensamento;

Este encontro terá tido uma grande influência no desenvolvimento do Cepticismo de Pirro.

Representação medieval do encontro entre os gimnosofistas e Alexandre Magno
(By Nico Valerio – http://nicovalerio.blogspot.it/2012/03/gimnosofisti-quei-saggi-indiani-asceti.html, CC BY 4.0)

Pirro – assim como Diógenes com o Cinismo – vivia em perfeita harmonia com suas ideias cépticas, o que o tornou numa personagem peculiar.

Indiferente ao que se passava ao seu redor – já que recusava-se a tomar partido sobre qualquer situação – viveu descontraído e calmo.

Morreu com 90 anos, em 270 AEC.

  • FILOSOFIA E FIGURAS MAIS NOTÁVEIS

Pirro de Elis

Pirro defendia a suspensão do juízo e o agnosticismo.

Agnóstico
do Grego agnostos “desconhecido, incognoscível”
*a– (não) + *gnōstos (ser conhecido)

Afirmava que nada existia realmente, sendo as decisões humanas guiadas somente pelos costumes e hábitos.
Assim, defendia que nem as nossas crenças nem as nossas experiências são verdadeiras ou falsas, porque não há diferença lógica entre elas, tornando impossível de decidir-nos por uma.

Seguindo a sua própria filosofia, Pirro não tinha perspectivas sobre o que quer que fosse, recusando-se a tomar partidos sobre qualquer questão.

A sua indiferença ficou retratada em episódios como estes:

  • Tinham de ser os amigos a salvá-lo de ser atropelado, já que ele nem se tentava desviar do trânsito;
  • Uma vez, terá passado por um homem a afogar-se no rio mas, para ele, nem a morte do homem nem o acto de o salvar tinham importância, pelo que simplesmente continuou a andar.

Enesidemo

Filósofo do século I AEC, foi o primeiro a deixar escritos sobre o pirronismo – numa obra intitulada Pyrrhoneoi Logoi (Discursos Pirrónicos).

Enesidemo

Defendeu que não há bases para o conhecimento – nem através dos sentidos nem do pensamento – pois os argumentos a favor e contra podem ser justapostos, impossibilitando-nos de saber qual é verdadeiro.

Criticou a Academia de Platão, dizendo que os filósofos “se cansam inutilmente e se esgotam em tormentos sem fim” enquanto que os pirrónicos eram “aporéticos e sem doutrinas”.

Aporia
– O significado varia ao longo da história, e da área de estudo;
– Na filosofia – e para os pirrónicos – significa uma contradição ou dificuldade impossível para o pensamento;
– Os primeiros diálogos de Platão são descritos como aporéticos porque iniciam-se por questionar o interlocutor sobre um conceito (p.e. Coragem) e terminam com o interlocutor a admitir que não o consegue definir, não se concluindo respostas sobre a questão inicial.

Enesidemo formulou ainda as bases para justificar porque temos de suspender o juízo, afirmando que:

  • Diferentes pessoas têm experiências e juízos diferentes sobre a mesma coisa | A mesma pessoa, em contextos e condições diferentes, vai percepcionar a mesma coisa de maneiras diferentes;
  • A variação das nossas idades, disposições e saúde, e a complexidade dos nossos sentidos, tornam as nossas percepções variáveis – quais são verdadeiras e quais são falsas?

Com base nisto, Enesidemo afirma que é impossível afirmar que sabemos definitivamente seja o que for.

Anúncios

Agripa

Pouco se sabe sobre Agripa tendo, no entanto, ficado associado a este nome, os 5 argumentos mais famosos do cepticismo antigo (conhecidos como os 5 tropos de Agripa):

  1. Qualquer debate suscita pontos de vistas rivais, impossibilitando de aceitar ou rejeitar qualquer lado;
  2. Para justificar uma tese de um argumento, temos de recorrer a uma tese anterior que, por sua vez, tem de ser justificada com outra tese anterior – entramos numa regressão que nunca termina;
  3. Tudo é relativo. As aparências dependem das condições e circunstâncias;
  4. Todas as tentativas de formar opiniões requerem pressupostos – mas para cada pressuposto, pode convocar-se um pressuposto alternativo, tornando impossível decidir;
  5. Para confirmar uma crença, invocamos ideias implícitas nessa crença – o que torna a confirmação circular.

Todos estes argumentos concluem o mesmo – temos de suspender o juízo.

Sexto Empírico

São oriundas dos escritos de Sexto Empírico as principais fontes de informação que temos sobre o cepticismo antigo.

Sexto Empírico

O seu nome peculiar está relacionado com a sua profissão, já que pertencia à escola médica empírica.

A escola empírica aceitou o pirronismo pois ia de encontro ao seu modo de ver a medicina;
Defendiam que a impenetrabilidade da natureza tornava impossível compreender as causas da doenças, pelo que os médicos deveriam focar-se no que é evidente e observável – nomeadamente os sintomas.


Em suma,

Os cépticos antigos eram pessoas comprometidas com a investigação – não ofereciam doutrinas, nem as advogavam – cingindo-se, ao invés, a realçar o que desconhecemos e, através disso, a refutar os dogmas das outras escolas.

O Pirronismo, em particular, defendia que para atingirmos a ataraxia precisamos de suspender o juízo, para que fiquemos “primeiro sem palavras, e depois sem preocupações.”.
Só assim, defende o Pirronismo, atingiremos a felicidade (eudemonia).

Assim, os cépticos actuavam com base no que percepcionavam, aceitando tradições e costumes e obedecendo aos impulsos naturais (como a fome e a sede), mas não declaravam saber ou tentar saber.
Limitavam-se a registar o que acontece, como um historiador.

Ainda hoje, as teorias epistemológicas (as que investigam a natureza do conhecimento e de como é adquirido) esforçam-se para, ou responder às considerações cépticas, ou aceitá-las.

Anúncios
Anúncios


Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: