lvii

Dias cinzentos.

Photo by Vlad Cheu021ban on Pexels.com

Estendo as horas, ao prolongar os segundos que ficaram aquém.

Lá fora, os dias contaminam-se.
Vê-se as cores amedrontadas pelo cinzento pleno, e a chuva – morrinhenta – amedronta os poucos que se aventuram no exterior.
Correm, sem guarda-chuva, ou caminham, com guarda-chuva, numa falsa sensação de segurança que só se estende até que o vento mude.
Ao mudar-se o vento, mudam-se as chuvas, os homens, os medos.


Anúncios
Photo by Maggie Zhan on Pexels.com

Desconheço que dia é hoje que não foi ontem.
Talvez se estendam também, os dias, sobrepondo-se uns ao outros de tal modo que se convergem num só, num único destino.

Talvez o sol escondido de hoje, seja o sol que se escondia ontem, e os raios que se reflectem hoje, no cinzento, tenham sido ontem também reflectidos – num vaivém espacial que embala o mundo.

Podia escalar a montanha, subir às nuvens num avião ou só bater as asas e voar e, ao chegar ao alto, onde coexistem as moléculas que definem os nossos limites, perguntar directamente ao astro-rei se ele se recorda do que fez ontem, e se isso difere do que fez hoje.

Certamente não obteria resposta.
Mas, e daí?
Valeria pela vista.



Anúncios
Anúncios


Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: