lxxiii

Crónicas para dormir (XI):
“Boy, you’re gonna carry that weight”

Anúncios

Sinto o descontrolo – é a noite a chegar.

Gosto da retenção, de sentir o peso a acumular, e a mochila que carrego – a que nasceu comigo – nunca a deixo para trás, independentemente.

São as sinas, nascemos com elas e a vida, nos seus jeitos sempre discretos, sempre tímidos, vai empurrando, depositando, e o peso sobe.

É o século XXI, com o I a duas pernas de ser um Y, e aí teríamos a Síndrome de Klinefelter.


É horrível – os tiranos são gente também.
E eu que nem as moscas mato.

Será que no fundo dos oceanos já ouviram falar do Hitler?
Nos aquários, acredito que não, é só vê-los a nadar e facilmente se crê que naquele microcosmos nunca ninguém morreu de ódio.

Mas eu bati no fundo, uma vez.
Saltei de cabeça, pelo lodo mal lavado, as fantasias decorativas, e bati no fundo.
Vi as pessoas passar do avesso, foi quando me apercebi que, ao contrário, ninguém é bonito. Somos uma construção de palitos:

espinha, braço, mão, dedos, mão, braço, espinha

Tão bem enfeitados, como o aquário dos peixinhos, que julgamos ter o oceano nos corpos. Mas olha para mim. O que vês?


Anúncios
Anúncios

Penso sempre em injustiças.

É semelhante a ver novelas como entretenimento, há tanto para rir quando se sabe procurar a piada. É o mesmo com as injustiças, nunca acabam, nunca deixam de surgir – conscientes ou ignorantes.

Lembro-me uma vez, numa noite em criança, de dobrar e erguer as pernas, de forma a só a nádega e o pé estarem apoiados no colchão – uma oposição ao conforto, que é sempre agradável para adormecer.
Foi a minha investida.
Naquele momento, inválido de decisões próprias, incapaz de quebrar o ininterrupto tempo de fazer surgir o escuro e o temeroso dia seguinte, o do começo das aulas, resignei-me à minha única egoísta forma de revolta, o meu grito de abril, o meu rasgo da conformação: uma posição desconfortável que me impedisse de adormecer.

Não funcionou.
Mas foi bonito.


Já é hora de dormir.


Chega de escrever – são danças, as palavras também dançam, como nós, umas maravilhosas outras nem por isso.

Words are blunt instruments
Words are sawn-off shotguns

Os dias que não chegam, as noites que se tardam, as formas de viver que nunca chegam a ser, os anos que seguem sempre à frente; tudo o que não é, pode sempre ser.
Nas palavras vivem ritmos que nunca se sentirão.

Anúncios

Anúncios


Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: