cxvii

longitudes. (VII)


Anúncios

I

Num comboio que prossegue, inexorável,
Eu sou os olhos à janela.

O tempo estende-se, intemporal,
Como gaivotas vivas que alguém imortaliza num quadro;
São seres, primeiro, depois são V’s num céu azul.

Eu, contingente, observo o necessário:
A beleza que se perpetua;
Que chegou a mim, de outrora, e se manterá, depois do meu momento.

(Ou talvez não.)

Num comboio que prossegue, maleável,
Eu sou a maquinaria geradora.

O tempo sucede-se, limitado,
Como um poema pensado que alguém se dedica a escrever.
São ideias, primeiro, depois são letras num pedaço de papel.

Eu, necessário, observo o contingente:
A beleza que se cria;
Que nasceu de mim, do abstrato, e terminará, com o fim do meu momento.

O mundo tem 14 milhares de milhões de anos ou 14 segundos.


Anúncios
Anúncios


Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: