cxlv

longitudes. (XVI)


Anúncios

I

Tenho sono;
Os olhos pesam-me como sementes no solo.
Querem cobrir-se de terra e germinar,
No silêncio da ausência,
Onde a vida vem morrer;
Erguer apenas quando o sol chamar.

Tenho sono; não tenho muito mais.
Conforme adormeço é o meu único desejo adormecer,
Nestes braços que me embarcam; nestes braços que,
Sem embaraços ou um sem-fim de moedas de troca,
Me transportam pelo mar calmo e sossegado.

Tenho sono; nada mais.

II

Rasga-me a pele;
Já e tarde para fazer nascer daqui um homem
E eu não sou ninguém.

Sou estéril e vou morrer;
As palavras são os meus únicos filhos e,
No esforço de nascer, nascem todos prematuros.

Já gritei tão alto, queria que se ouvisse:
O meu antecipar do fim do mundo.
Agora sussurro, estou calmamente a aguardar
Que os mares se encham;
Que os homens morram submersos.

Tenho sono; é tudo o que tenho.


Anúncios
Anúncios


Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: