cxlix

longitudes. (XVII)


Anúncios

À parte de todos os meus complexos,
Sou um corpo perfeitamente simples.

Tenho iguais membros a qualquer autómato,
As mesmas raízes que prendem as árvores,
O destino do universo.

Não me peçam descrições do resto.
Tudo o que sei resume-se a isto:
Lá fora faz mais frio do que cá dentro.

\\\\\

Reconheço estes escuros recantos onde me perco;
Foi sempre aqui que retornei para esquecer as desavenças.
O mundo enorme, o pequeno eu.

Perdura ainda neste quarto, neste útero inupto,
Algo dessa fome, dessa oprimida aflição.

No ar, ainda sinto, o levitar dos mundos éticos.
Foi neles que me perdi; o desfiar que iniciou
Nessa pueril ponta solta.

Vive aqui um universo que se lembra,
Só não recorda os pormenores.
Um composto temporal em que me enleio –
Propenso no início, agora hostil e saturado.

Ainda ontem era uma criança; nunca pensei ver-me crescer.
Hoje, já adulto, contento-me:
Nunca serei maior do que este quarto.


Anúncios
Anúncios


Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: