Uma mosca chamada Miranda

Já dizia Lavoisier que “Na natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma” e, se é já um cliché dizê-lo, felizmente isso não lhe remove a veracidade. À falta de dentes, as moscas descobriram um processo alternativo marcadamente repugnante para se alimentarem: primeiro, ao pousar numa superfície, a mosca recorre aos pés paraContinue a ler “Uma mosca chamada Miranda”

xv

Uma mosca e um livro. Voltei a ter uma mosca no quarto.Assumo que não seja a mesma de que falei antes. Acima de tudo porque, tendo elas uma expectativa de vida entre 15-30 dias, parece-me absurdo desperdiçar um terço disso comigo. Ao sentar-me na cadeira, perto da secretária, ela esvoaçou em zigue-zagues zangados. Talvez tenha-lheContinue a ler “xv”

viii

“Se os bois e cavalos ou os leões tivessem mãos, e pudessem com elas pintar, e produzissem obras de arte como os homens, os cavalos iriam pintar as formas dos deuses como cavalos, e os bois como bois.” xenófanes A percepção não é ver o que existe; é julgar o que existe pela nossa visão.Continue a ler “viii”