xlvii

Crónicas para dormir (VI):
A noite delimita a arquitectura que perdurará até o dia nascer.

xxxvii

“You’re not alone in anything / You’re not alone in trying to be.” Suo.Sou. Lá do alto, uma propagação divina chega até mim.Quente. Doce. Lá do alto, uma forma de crença. Na minha pele – o que me reveste – o quente é um sentido, uma razão.Amar é pouco mais do que isto – umContinue a ler “xxxvii”