lxvii

Crónicas para dormir (X):
“Não há consolação, amigo triste, o homem é um animal inconsolável.”