li

Crónicas para dormir (VII)

Sangram as virtudes.
A noite não disfarça os balanços que as criam; a maquinaria, débil, que mantém tudo em uníssono; as incongruências compatíveis.

Photo by Daria Shevtsova on Pexels.com

Penetro – moribundo – na transcendência, somente para fugir de lá com o mais fugaz dos movimentos ou dos sons.
O ciclo repete-se e, com a repetição, o ciclo revela-se.

São terrenos corruptos.
Mares poluídos.
Luzes que não chegam, mas anunciam-se; não me vá eu esquecer que existem e que persistem longe do meu chão, do meu solo, do meu quintal, do meu recanto, onde eu existo, onde eu persisto.

O ciclo repete-se.


Photo by Aldiyar Seitkassymov on Pexels.com

Dizem que nasci nos momentos que interligam a queda do sol e o erguer da lua; que vim em má-hora, a uma sexta tardia, quando já sonhavam com o fim de semana.

Tentaram atrasar-me para segunda; mas eu berrei-lhes do ventre, e eles – coitados – temendo o sufoco de um cérebro em ressaca, salvaram-me ao fazer-me nascer.

Mas há quem morra sem nascer.


Anúncios
Photo by Wallace Chuck on Pexels.com

Desejo e ausência.

É tudo. No fundo de tudo, é só isso.
É onde persistem as vontades, as crenças, as indefinições, os solavancos de raciocínio.

Se eu rasgar os limites do meu corpo, estender os braços para lá do ovo que me embala, vejo dois mundos de carne:

Ou digerida, ou inconsciente de si.

E, inerente a ambas, o desejo que as conecta de não ser a outra.
E, inerente a ambas, a ausência que as conecta de não ser a outra.

Anúncios
Anúncios


Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: