cxliii

A verdade é uma questão de crença.


Anúncios

I am happy to join with you today in what will go down in history as the greatest demonstration for freedom in the history of our nation. Five score years ago, a great American, in whose symbolic shadow we stand today, signed the Emancipation Proclamation. This momentous decree

O discurso do I Have A Dream do Martin Luther King Jr. num tweet.
O primeiro numa sequência de 28.

(Quem quer saber? TL;DR)


É 2021.
2012 trouxe um fim do mundo, alguém ainda se lembra? Veio e foi sem grandes tumultos. Talvez porque os fins não sejam sempre assim tão evidentes, e ao findar-se em silêncio, ninguém lhe deu atenção; talvez porque até isso – o fim do mundo – já tenhamos dessensibilizado, no processo de aprender a viver. Foi longo e árduo, mas estamos finalmente a chegar a algum lado.

Finalmente, a verdade é uma questão de crença: a ciência é ficção governamental; a natureza é um recurso infindável, como a bondade e o amor, o planeta já aquecia antes, e com as chuvas e os nevões, onde anda o aquecimento global?; o humano nunca foi à lua, foi o Kubrick quem realizou o filme; e a história é a herança, ser contra-protestante é ser patriota, não vá ninguém desrespeitar os que viveram há meio século atrás.

Anúncios
Anúncios

A verdade é digital; a informação é livre, tão livre que ninguém a quer, e para quê quando há tanto mais na verdade. Numa frase, sou eu, quem nasci para ser; sou maior do que todos os vizinhos, todos os desprezíveis que para aí caminham e se pavoneiam, no meu tempo não era assim; eles não justificam ideologias em 280 caracteres como eu, eu carrego o peso de um universo ignorante, todos eles, os que não compreendem, é tão fácil de entender: não há racismo, não há homofobia, não há privilégio; estão aqui, são estes os valores que fizeram tempos pacíficos dos últimos séculos.

A verdade é a mais recente religião; talvez a mais libertina. Os deuses vêm em todas as formas e feitios, até perfeitamente ausentes; não há indumentária ou costumes, cada um veste o que quer – não o que quer, o que é digno – todos os dias são dias crentes e todos os dias há uma nova crença, outra que se apaga, quem quer saber? É fechar o punho, é gritar pulmões, é agitar bandeiras, é sentir a mais violenta razão na violência, o mais perfeito sentido no absurdo. Quando me irrito, quando o ódio me percorre as veias, quando ergo este meu braço, quem o faz descer não sou eu; é algo maior, é um restabelecer da ordem, um restituir dos costumes.


Já ninguém faz relógios.
Somos máquinas de fazer crentes.


Anúncios
Anúncios


Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: